Estudante cego enfrenta falta de estrutura em universidade no PA

O estudante Pedro Michel Platini tem 28 anos e é aluno do segundo período no curso de matemática da Universidade Federal do Pará, em Belém. Porém, ao contrário dos outros acadêmicos, não tem livre acesso a todos os espaços do campus e ao conhecimento compartilhado pelos professores durante as aulas de laboratório. Deficiente visual, Michel não consegue contar com a ajuda do acervo de mais de 80 mil obras da biblioteca central da instituição para estudar.

Sem estrutura na universidade e na própria casa, Pedro Michel estuda onde é possível. (Foto: Luana Laboissiere/G1)

Sem estrutura na universidade e na própria casa, Pedro Michel estuda onde é possível. (Foto: Luana Laboissiere/G1)

O aluno ingressou na UFPA pelo sistema de cotas, adotado pela instituição desde 2011. Durante o processo seletivo, Michel fez as mesmas provas que os demais alunos – a diferença está no formato: os estudantes com deficiência visual contam com provas feitas em tamanho ampliado, transcritas em braile ou através de um programa de computador que transforma texto em áudio.

Porém, após ser aprovado, o aluno enfrenta dificuldade em estudar. Faltam livros e professores preparados para conduzir as aulas de forma que ele possa acompanhar os demais colegas. “Eu não participo das aulas de laboratório em informática, por exemplo, porque não tenho aproveitamento. Não há nem equipamento, muito menos software adequado. O professor está até checando uma alternativa, mas enquanto isso, não faz muito sentido ser ouvinte numa aula em que a parte prática é evidente”, denuncia.

Universidade deficiente
Para Michel, o primeiro semestre de 2012 foi o mais difícil. Nas duas avaliações iniciais o aluno contou apenas com o que ouviu em sala de aula para fazer as provas, o que resultou em duas notas 4,5. Faltando dois dias para a terceira avaliação ele recebeu material em braile, e conseguiu uma média 9. Na avaliação final, com tempo para estudar, terminou o semestre com 9,5.

Professor Márcio Nascimento não poupa críticas aos colegas de profissão na UFPA. (Foto: Luana Laboissiere/G1)

Professor Márcio Nascimento não poupa críticas
aos colegas de profissão na UFPA.
(Foto: Luana Laboissiere/G1)

“Acredito que a maior dificuldade que esse aluno enfrenta não se encerra apenas na questão do acesso limitado a material especializado, e sim em encontrar professores que estejam dispostos a sair da sua zona de conforto para buscar novas metodologias e promover uma inclusão real desse e de outros alunos em condição semelhante”, critica Márcio Lima do Nascimento, professor doutor em Sistemas Dinâmicos, que lecionou para a turma de Michel no ano passado.

Com quase duas décadas de docência na UFPA, o professor critica a falta de preparo da universidade para a educação inclusiva. “O caso do Michel só confirma o despreparo da instituição diante da inclusão de alunos com as mais variadas deficiências. E, para a nossa surpresa, a maior resistência não parte dos outros alunos, mas dos professores, que direcionam suas explicações apenas para aqueles que enxergam. Os docentes, fundamentais nesse processo, não discutem e não querem discutir a inclusão”, complementa.

“O próprio Pedro Michel confessou, certa vez, que em algumas aulas, ele era ignorado, tratado como se não existisse na sala”, revela o professor Nascimento.

“Universidade não está capacitada”, diz diretora

michel_percorre_os_corredores_entre_estantes_repletas_de_livros

O estudante universitário percorre os corredores da biblioteca central da UFPA, que não dispõe de livros didáticos transcritos em braile para pessoas com deficiência visual. (Foto: Luana Laboissiere/G1)

Na cidade universitária da UFPA circulam 45 mil pessoas todos os dias. O local passa por um processo de adaptação para acessibilidade que deve ser concluído ainda em 2013. Além do espaço físico, a instituição também procura o acesso pedagógico através do Núcleo de Inclusão Social, criado em 2012 para ajudar universitários com deficiência. Esta mudança, porém, segue em ritmo mais lento: o espaço ainda funciona em um espaço provisório, dentro da Pró-Reitoria de Ensino e Graduação (PROEG).

“O trabalho está no início, e por essa razão ainda lidamos com entraves estruturais e de recursos humanos. Estamos em busca de um espaço físico próprio, além de contratar pessoal especializado para integrar a equipe que temos, formada por poucos docentes e técnicos. O resultado efetivo poderá ser sentido a médio e longo prazo”, explica Lúcia Harada, diretora de ensino da PROEG e coordenadora do Núcleo.

O próprio Pedro Michel confessou, certa vez, que em algumas aulas, era ignorado, tratado como se não existisse na sala”
Professor Márcio Nascimento

A coordenadora, porém, reconhece as deficiências apontadas por professores e alunos. “É fato que nós, profissionais da UFPA, sobretudo professores, não estamos capacitados para nesse momento lidar com a questão do aprendizado do aluno com deficiência que estuda na instituição”, afirma. Harada assume ainda que desconhece o número e a situação dos estudantes com deficiência distribuídos nos 11 campi localizados nos municípios de Abaetetuba,Altamira, Bragança, Breves, Cametá,Capanema, Castanhal, Marabá, Soure,Tucuruí e na capital paraense.

Enquanto a instituição estuda medidas para sanar o problema, Michel convive com as limitações impostas pela universidade que, segundo ele, são maiores que as do glaucoma que levou à perda total de sua capacidade visual, em 2009, quando cursava medicina no mesmo campus onde hoje tenta estudar. “Vir aqui na biblioteca é sempre muito estranho. Uma euforia que acaba em decepção, sabe? Pegar os livros, grandes, volumosos e ficar imaginando o que tem dentro… É triste saber que muita coisa ali eu vou continuar sem conhecer. Pensar que tem um mundo todo à disposição para os alunos, mas não para os cegos como eu”.

Desafio de ensinar
O que mantém viva a esperança do estudante nas mudanças que podem ocorrer e tornar sua formatura possível é o incentivo que vem de professores como Adam Oliveira, ligado ao Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN), que se ofereceu para lecionar geometria espacial a Michel e sua turma. “É a primeira vez que dou aulas a um cego. Além do desafio, é uma oportunidade única que vai contribuir para o meu aperfeiçoamento docente”, revela.

 

"Ao dar aula para ele, na verdade, quem mais aprende sou eu", garante o professor

“Ao dar aula para ele, na verdade, quem mais
aprende sou eu”, garante o professor

A dedicação do professor de 27 anos o levou a pesquisar metodologias que pudessem facilitar a compreensão do conteúdo e buscar parcerias como a da Unidade Técnica José Álvares de Azevedo, administrada pela Secretaria Estadual de Educação (Seduc), referência em educação para deficientes visuais na capital paraense.

“Na minha disciplina, a questão visual é muito exigida. Eu falo de definição de sólidos como prisma, cilindro, paralelepípedo. Para não ficar só nos desenhos, o que tornaria o assunto de difícil entendimento para o Michel, eu trago sempre para a realidade da nossa sala de aula, para que ele possa se situar de maneira concreta sobre o assunto que está sendo tratado”, detalha o professor “Ao dar aula para ele, na verdade, quem mais aprende sou eu”, confessa.

Driblando dificuldades

Ao sair de casa, no bairro da Cabanagem, Pedro Michel enfrenta uma trilha de obstáculos: palafitas, terreno instável e lixo. (Foto: Luana Laboissiere/G1)

Ao sair de casa, no bairro da Cabanagem, Pedro Michel enfrenta uma trilha de obstáculos: palafitas, terreno instável e lixo. (Foto: Luana Laboissiere/G1)

Michel foi batizado como Platini para homenagear um jogador de futebol francês, mas a intimidade com o esporte não passa da certidão de nascimento. “Quando eu era mais criança até tentei jogar bola com os outros garotos, mas como já não enxergava muito e não tinha nenhuma intimidade com a ‘redonda’, desisti. Tenho dois pés esquerdos”, brinca. Para ele, a seleção ideal tem gênios da ciência na escalação: nomes que vão desde o físico alemão Albert Einstein, passando pelo microbiólogo Louis Pasteur, o matemático francês Blaise Pascal, e os clássicos gregos Arquimedes e Pitágoras. Também não podem faltar o físico dinamarquês Niels Bohr, o químico neozelandês Ernest Rutherford, o cientista tcheco Gregor Mendel e o matemático italiano Fibonacci.

Nascido em uma família sem recursos, Michel conta que reclamava de fortes dores de cabeça e nos olhos durante a infância, consequências de uma elevada pressão intraocular diagnosticada tardiamente e que levou à perda gradual de sua visão. Por enxergar pouco, procurava sentar-se sempre na primeira fileira na escola. O hábito se manteve até a universidade. “Quando eu percebi que já estava muito difícil poder ver, resolvi levar para as aulas um aparelho de MP4 para gravar as explicações dos professores e memorizar os assuntos”, conta.

michel_resolvendo_equacoes_no_quadro_que_fica_em_cima_da_cama_de_casal

Ágil com o pincel atômico, o estudante faz cálculos
e demonstrações matemáticas.
(Foto: Luana Laboissiere/G1)

Porém, chegar até a universidade é um desafio comparável aos estudos: Michel mora em uma área de ocupação no bairro da Cabanagem, no limite entre os municípios de Belém e Ananindeua. Construído em madeira, o imóvel onde vive em companhia da esposa Rulthany, de 32 anos, e do vira-latas Beethoven, tem apenas dois cômodos e alguns poucos móveis.

Quando está de folga, o estudante divide seu tempo entre black metal, desenhos animados e a cozinha. Para estudar, Michel se senta no sofá e, quando precisa, vai ao quadro branco posicionado em cima da cama do casal, para fazer cálculos e demonstrações matemáticas.

Ao sair de casa, ele precisa caminhar sobre uma passarela de tábuas, evitando buracos, lixo, lama e uma série de desníveis até chegar na rua principal, onde fica a parada de ônibus. Apesar das quedas e tropeços, Michel não desanima. “Mesmo com esse problema, tenho sonhos como qualquer outra pessoa. Já realizei alguns deles: estou investindo em uma nova carreira, tenho a minha casa própria e uma companheira ótima. Eu ainda quero ser pai e seguir estudando para entrar no mestrado, depois no doutorado e no que ainda mais vier”, diz.

O professor Nascimento garante que o sonho é possível. “Ele é um aluno excelente, com grande potencial de seguir carreira acadêmica, seja na pesquisa ou na docência. Posso afirmar com tranquilidade que, com base no conhecimento que tem, já está pronto para lecionar no ensino básico da matemática. As demais potencialidades, com toda certeza, ele irá aperfeiçoar ao longo do curso”, acredita o professor, um dos muitos admiradores que Pedro Michel Platini conquistou na sua trajetória pela busca do conhecimento.

Em companhia da esposa Rulthany, Platini traça planos para o futuro. (Foto: Luana Laboissiere/G1)

Em companhia da esposa Rulthany, Platini traça planos para o futuro. (Foto: Luana Laboissiere/G1)

 

Fonte: G1

 

About these ads

Publicado em junho 4, 2013, em Artigos e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: